Voltar

Balanço Gamístico 2011

Em Jogos | 27/12/2011 20:23 Balanço Gamístico 2011

Final de ano é sempre um período de reflexão, algum descanso e muitos desejos para o ano vindouro. É o momento no qual enumeramos os pontos que mais nos marcaram (ou não) ao longo dos dias que se vão e que começamos a relacionar nossos desejos para o futuro já tão próximo.

E, claro, para nós gamers isso significa listas - tanto dos melhores jogos do ano quanto daqueles que mal podemos esperar para jogar!

O ano de 2011 viu novas franquias surgirem, outras renascerem e muitas repetirem sua versão anual com alguma (ou nenhuma) mudança. Os sensores de movimento tiveram escassos lançamentos (você ainda lembra do PlayStation Move?!), o promissor Nintendo 3DS viu a luz do dia e não teve o sucesso esperado, o sucessor-tablet do Wii foi anunciado, os jogos sociais continuaram a crescer e o Brasil viu algum progresso em seu mercado de games com o início da fabricação nacional do Xbox 360 e a inclusão dos jogos como área cultural na Lei Rouanet, favorecendo a captação de recursos por parte dos desenvolvedores brasileiros.

De minha parte, 2011 foi um ano bastante conturbado, repleto de missões pessoais, corporativas e aleatórias que infelizmente ceifaram ainda mais meu tempo livre para jogos. Porém, mesmo assim, consegui jogar todos os principais títulos do ano, terminar alguns deles e ainda recomeçar alguns clássicos só pelo prazer de vivenciar aventuras tão mágicas.

Isso sem contar a formatação do meu HD do PS3 e a perda de mais de 4 anos de saves, incluindo aí aqueles dos jogos que eu tinha algumas dezenas de horas jogadas - e ainda estava jogando-os. Mas isso aí é uma outra história...

2011 foi palco também de bons eventos gamers, como a já tradicional Brasil Game Show, um Game World muito mais encorpado com direito a test-drive do 3DS antes mesmo do lançamento estadunidense e o inesperado Game On, que com suas dezenas de jogos clássicos e contemporâneos mostrou-se um belíssimo compêndio de tudo o que o mercado de games já criou ao longo de suas pouco mais de 4 décadas.

Os Top 10

Antes de partir para a leitura, gostaria de advertir o leitor que minha lista de grandes games do ano costuma sempre ser um pouco estranha. E isso ocorre pois considero jogos que joguei (bastante) em 2011, e não apenas lançamentos do ano (que apenas testei por poucos minutos). Assim sendo, não se assuste se algum jogo de PlayStation 2 aparecer por aí!

1. Mass Effect 2 (Xbox 360)

Mass Effect 2

Mesclar uma trama rica e fabulosamente interessante a uma ótima mecânica de shooter em terceira pessoa com uma grande sensação de liberdade, tendo como cenário o espaço sideral, só faz de Mass Effect uma das mais estupendas franquias já criadas. Não é à toa que meu jogo mais esperado de 2012 é Mass Effect 3.

2. Borderlands (PS3)

Borderlands

Com certeza posso afirmar que este foi um dos games que mais joguei nos últimos anos. Seu universo é rico, o gameplay divertido e os cenários imensos. Apesar de a trama ser simplista, o pouco dela que nos é apresentado contribui ainda mais para a imersão no mundo de Pandora.

3. Deus Ex: Human Revolution (PS3)

Deus Ex

Stealth como poucos, sua estética cyberpunk salta os olhos junto de seu universo complexo de conspirações políticas e corporativas. Mesmo seus gráficos não sendo o que os CGs nos mostram, a beleza de sua arte, o enlevo de sua trilha sonora e todas as suas possibilidades de gameplay fazem de Deus Ex um jogo ímpar.

4. Demon's Souls (PS3)

Demon's Souls

Dificuldade old school em um pacote com belos gráficos, mundo crível e um modo online como nunca se tinha visto em um jogo essencialmente single player. Se para alguns este é um dos jogos mais difíceis já criados, para mim é umas das mais belas representações de um mundo medieval fantástico repleto de criaturas místicas, demônios e daquele temor de que seus próximos passos podem ser os últimos.

5. Super Mario 3D Land (3DS)

Super Mario 3D Land

Todos os jogos principais do Mario lançados pela Nintendo são únicos à sua maneira. Super Mario 3D Land, com sua dificuldade na medida certa, belos gráficos aliados a ótimos efeitos 3D, gameplay maravilhosamente funcional para um portátil e um sem número de referências nostálgicas a antigos jogos da franquia é indubitavelmente um dos melhores games do encanador bigodudo.

6. Bastion (Xbox 360)

Bastion

Jogo independente de uma beleza rara em um gameplay isomérico perfeitamente balanceado, tem em seu narrador-irônico-onisciente o ponto alto de sua apresentação e seu grande diferencial em relação a outros jogos do gênero. Com certeza uma das grandes revelações de 2011.

7. El Shaddai: Ascension of the Metatron (PS3)

El Shaddai

Um dos jogos mais surreais que já joguei em toda minha existência gamer. A mistura de uma temática religiosa com uma roupagem moderna em um jogo de plataformas que alterna entre o 2D/3D torna El Shaddai uma obra incomum nesse atual mercado de games repleto dos mesmos jogos de tiro em primeira pessoa - não há como ficar indiferente à sua overdose visual.

8. Catherine (PS3)

Catherine

Um diferente simulador de namoro que une puzzles a uma trama essencialmente adulta. De fato, é difícil explicar Catherine: somente jogando pode-se entendê-lo.

9. The Elder Scrools V: Skyrim (PS3)

Skyrim

Grandioso ao extremo, virtualmente infinito a partir de suas sidequests procedurais e dotado de um universo magnífico, Skyrim é a continuação que Oblivion merecia e um daqueles games nos quais entramos e não queremos mais sair.

10. Bit.Trip Runner (Wii)

Bit.Trip Runner

Um retorno aos 8 bits, seu controle minimalista somado a uma dificuldade por vezes insana lembra muito os clássicos de outrora. E seu visual, apesar de simples, é uma ode às primeiras gerações de jogos.

Outros títulos que merecem destaque

A verdade é que apenas um Top 10 não é suficiente para externar toda a beleza gamística de 2011. Eis alguns outros jogos que merecem destaque dentre todos os games que joguei neste ano que já se encerra.

1. Alice Madness Returns (PS3)

As histórias de Alice sempre me agradaram por sua surrealidade. E o toque demente de American McGee's só torna a viagem ao País das Maravilhas ainda mais insano.

2. From Dust (Xbox 360)

O estilo god game pode até estar em baixa, porém a Ubisoft conseguiu criar um representante digno do gênero em 2011.

3. ICO & Shadow of the Colossus Collection (PS3)

Clássicos são clássicos e nunca os esquecemos. Essa coleção, com gráficos renovados e discretos extras faz jus à toda a beleza desses que são alguns dos mais estupendos jogos já criados.

4. Halo Anniversary (Xbox 360)

Falando em clássicos, Halo foi o jogo que mostrou ao mundo que era possível haver jogos de tiro em primeira pessoa em consoles com controles precisos. E Halo Anniversary é um belo tributo ao game original de 2001.

Nexus: The Jupiter IncidentNexus é um daqueles jogos de estratégia cheios de menus
com tiros de lasers coloridos para todos os lados

5. Nexus: The Jupiter Incident (PC)

Ótimo jogo espacial de estratégia em tempo real. Como sou fã de naves, gameplay estratégico complexo e tramas intrincadas, fui fisgado pelo jogo desde os primeiros minutos. Apesar de ser de 2004, continua muito atual.

6. Batman: Arkham City (PS3)

Sempre tive Batman como meu super-herói predileto. E, se Arkham Asylum já era uma bela homenagem ao homem morcego, Arkham City consolidou a franquia da Rocksteady como a mais fiel reprodução de um personagem de HQ em formato de jogo.

7. Jeanne d'Arc (PSP)

Incrível como este que foi meu primeiro jogo de PSP (adquirido no longínquo ano de 2007) ainda hoje consegue me prender por horas com seu fantástico gameplay de estratégia por turnos (e ainda receber uma menção honrosa como um dos meus grandes games de 2011).

8. Infinite Space (DS)

Projeto da Platinum Games que não recebeu a atenção merecida, Infinite Space é um complexo jogo espacial de estratégia no qual o jogador é o capitão de uma mega espaçonave totalmente customizável. Apesar da trama pueril, a jogabilidade repleta de possibilidades e o avançado sistema de customização fazem deste um dos melhores jogos do finado portátil da Nintendo.

9. Starfox 64 3D (3DS)

Mesmo tendo um lineup inicial (e atual...) fraco, o 3DS ressuscitou alguns dos games mais fantásticos já lançados pela Nintendo. E, ainda que este Starfox 64 3D tenha em muito a essência de seu material original, os ótimos efeitos 3D e gráficos levemente melhorados tornam este um dos melhores jogos do novo portátil da Big N (não que haja tantos jogos bons para competir...).

10. The Legend of Zelda: Ocarina of Time 3D (3DS)

Como herege que sou, não havia jogado Ocarina of Time até pouco tempo atrás. Com certeza um grande game, um marco de sua geração - e um exemplo de excelente game design que ficou marcado para sempre na história dos jogos eletrônicos.

Mr. ESCMr. ESC, o herói de Exit

11. Exit (PSP)

Uma espécie de jogo de resgate com visual extravagante e gameplay viciante e divertido.

12. Max and the Magic Marker (Wii)

Dotado de belos e coloridos gráficos, sua mecânica baseada em desenhos com o Wiimote tornam-no um jogo perfeito para o (hoje já não tão) pequeno notável da Nintendo.

13. L. A. Noire (PS3)

Com uma tecnologia de captura facial impressionante, seu gameplay sandbox detetivesco vai além de um GTA nos anos 1940: pesquisar pistas e entrevistar suspeitos exige muito mais dedicação do que apenas sair por aí dirigindo carros em alta velocidade.

14. Outland (PS3)

Lembrando os primeiros Metroid porém com um toque acrobático de Prince of Persia, Outland é uma excelente opção cooperativa com um visual singular e uma história poeticamente narrada.

15. Portal 2 (PS3)

Continuação do embasbacante título de 2007, expande a história da Srta. GlaDOS e mostra que a Aperture Science Handheld Portal Device pode oferecer novas possibilidades de gameplay além do que poderíamos imaginar.

16. Disaster Report (PS2)

Esse jogo não tem bons gráficos. Não tem bons efeitos sonoros. Não tem boa dublagem. Não tem um gameplay lá tão funcional. Mas, mesmo assim, seu clima pós-desastre e sua contínua sensação de insegurança tornam-no um jogo primoroso.

17. Fatal Frame 1, 2 e 3 (PS2)

Uma das mais assustadoras franquias de terror já criadas. Ponto.

RocksmithRocksmith: sim, você usa sua guitarra de verdade. E funciona!

18. Rocksmith (PS3)

Desde que o primeiro Rock Band surgiu, sempre imaginei como seria jogá-lo com uma guitarra de verdade. Mesmo não sendo parte da popular franquia da Harmonix, Rocksmith é um interessante experimento de ensino que funciona perfeitamente bem tanto para quem quer aprender as mecânicas básicas do instrumento quanto para músicos experientes que procuram uma diversão diferenciada.

19. Gears of War 3 (Xbox 360)

Belíssima conclusão para a história de Marcus Fenix. E ainda vem de brinde com legendas em Português do Brasil!

20. Uncharted 3: Drake's Deception (PS3)

Mesmo sendo mais do mesmo, não deixa de ser uma adição fabulosa à franquia da Naughty Dog. E o modo cooperativo on-line está ainda melhor com a adição de uma breve trama que relaciona todas as fases.

Ao Infinito e Além

Mass Effect 3

Ainda não foi dessa vez que a indústria brasileira de games teve um sobressalto, mas não se pode negar que a redução dos preços de consoles e jogos da Microsoft, somados aos lançamentos oficiais da Ubisoft em terras tupiniquins, tenham sido um grande passo rumo à melhora do nosso mercado nacional de games. Com certeza 2012, além do (suposto) fim do mundo e do provável anúncio de novos consoles da Sony e Microsoft, será um ano gamístico no mínimo interessante para o Brasil.

E que chegue o novo ano e, com ele, Mass Effect 3!

Comentários
Comentar
Campos marcados com * são obrigatórios. Seu e-mail não será exibido.
*
*
*
Captcha *
CATEGORIAS AO TOPO E ALÉM LUGARES PARA IR
Topo

“Games are a problem-solving activity.” - Jesse Schell