Voltar

O Mercado de Games no Brasil (Slides)

Em Jogos | 23/09/2010 01:42 Brasil

O mercado de games no Brasil é um negócio curioso. É assolado pela pirataria, tem altos impostos atravacando seu crescimento e é relativamente ignorado - quando não maltratado - pelas grandes empresas; porém, mesmo assim há uma legião de gamers que lutam entre uma importação e outra para manterem-se atualizados com as últimas novidades - e dentro da legalidade.

Embora o ambiente nacional não seja lá tão propício para a criação de títulos AAA, o Brasil tem um forte mercado de jogos casuais, advergames e serious/business games que é bem maior do que a maioria dos jogadores pode imaginar.

E mesmo não produzindo blockbusters de dezenas de milhões de dólares com campanhas de marketing com custos que se aproximam dessa cifra, há empresas com iniciativas bem bacanas que provam o quanto a produção de jogos nas terras tupiniquins pode realmente ser algo lucrativo e com uma identidade própria.

Os slides a seguir, embora não exaustivos, servem como uma discussão introdutória sobre o ecossistema da indústria brasileira de games, mostrando que nosso país já produziu e produz títulos criativos e com alta qualidade. Tais slides foram criados com o intuito de servirem de apoio em apresentações de propostas de games na empresa aonde trabalho e também para discutir sobre a indústria de games nacional em uma palestra que farei juntamente com os companheiros do Astirina sobre o Strings Fighter na FITO Jd. das Flores em Osasco.

Embora tenha uma estrutura de palestra, a apresentação traz informações interessantes e pertinentes que podem ajudar os companheiros gamers a conhecerem um pouco mais desse ambiente tão conturbado que é o mercado brasileiro de jogos. Boa leitura!

Comentários Ainda não foram postados comentários
Comentar
Campos marcados com * são obrigatórios. Seu e-mail não será exibido.
*
*
*
Captcha *
CATEGORIAS AO TOPO E ALÉM LUGARES PARA IR
Topo

“As enfermidades são os resultados não só dos nossos atos como também dos nossos pensamentos.” - Mahatma Gandhi